quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

ESTE ESPORÃO QUE EU AMO

Eu sei lá porque é que amo esta terra?!...
Eu sei lá porque é que gosto destes declives sem mar no fundo, quando gosto tanto do mar!
Destas casas de pedra que pouco a pouco renascem, renasce também a minha alma!
Fernando Pessoa (sempre ele) dizia: "...e sempre que aqui não estou, a casa dos meus antepassados treme através das minhas lágrimas...."
Obrigado Esporão, minha pequena grande Terra!

5 comentários:

Carvalhal-Miúdo disse...

Abílio,

Grande homenagem nessas belas palavras.
Sem mais...
Abraço
António M.R.Martins

Sobreiras lugar velho do Esporão disse...

Bom dia Abílio
Gostei destas tuas duas últimas postagens.
Parabéns pela tua eloquência no teu texto,muito bonito.
Força...continua...
Um abraço
Adriano Filipe

Guidinha Pinto disse...

Cheguei aqui pelo Penedos de Góis. Gostei. Se calhar até nos conhecemos, mas... não posso afirmá-lo com convicção. Ama essa terra. Compreendo-o. Eu também amo a de meus avós maternos - a Cerdeira. Como somos vizinhos, vou linká-lo. Hei-de voltar a vizitá-lo. Já agora, a Ti Anália era sogra do João da Cerdeira, filho da Ti'Augusta? Como somos pequeninos :)
Cumprimentos.

Anónimo disse...

Tambem como tu eu amo o nosso Esporao. Que belos trabalhos que tu apresentas,neles mostras sem duvida o grande amor que tens a nossa terra e a pessoa que ès,deve ser isso que incomoda gentinha rasca que anda para ai sem nada para fazer.Parabens pela pessoa que es. O.Bandeira
























e

A.C.B. disse...

-Amigo António, mais uma vez obrigado pelas suas palavras.

-Adriano, um abraço e obrigado.

-Cara Guida, muito obrigado pela sua visita. Provavelmente já nos cruzámos algumas vezes sem saber.
O filho mais velho do João da Cerdeira, de que fala,o Filipe, além de ser meu primo é padrinho da minha filha mais velha.

-O.Bandeira, obrigado pelas palavras, como sabes às vezes até apetece desistir, mas enfim, arranja-se coragem no amor que se tem às coisas.
Até sexta-feira.